Dicas

27 de Junho de 2019

4 benefícios que ser bilíngue traz para a sua saúde

Confira alguns benefícios e vantagens que aprender inglês traz para o seu cérebro

No mundo cada vez mais globalizado em que vivemos, saber e dominar o inglês é cada vez mais necessário para a comunicação independentemente de onde você esteja. Até mesmo no Brasil, se você encontrar algum turista e fazer uma ponte de comunicação através do inglês. 

Além disso, no meio acadêmico as possibilidades de conteúdos e artigos são muito maiores no inglês, e se você não conhece o idioma, acaba perdendo bastante coisa (mesmo quando traduz para o português). 
E no trabalho, as melhores oportunidades são maiores para quem é fluente no inglês. Inclusive, em algumas empresas, funcionários conseguem ter um salário melhor em comparação aos seus colegas quando dominam o idioma. 

Mas as vantagens de saber inglês não se limitam só ao mundo dos negócios, educação ou comunicação. Nos últimos anos, cientistas e pesquisadores têm comprovado que ser bilíngue auxilia a saúde e aumenta a capacidade cerebral. Isso mesmo! Ficou curioso? Então, vamos dar uma olhada em quais benefícios são esses:

1) Mais facilidade para resolver problemas e ser criativo 

Recentemente, um neuropsicólogo da Universidade de San Raffaele, Jubin Abutalebi disse em entrevista à BBC que já é possível identificar bilíngues em meio a outras pessoas somente observando imagens escaneadas de seus cérebros. Mas como assim? 
A gente te explica: pessoas bilíngues apresentam uma quantidade maior de massa cinzenta no córtex cingulado anterior. E o nosso cérebro funciona igual ao nosso corpo, nós precisamos exercitar. Essa ‘massa cinzenta no córtex cingulado anterior’ funciona da mesma forma que um músculo: quanto mais usa, maior e mais flexível ele fica. 

O cérebro de uma pessoa bilíngue passa por desafios constantes e precisa fazer um certo esforço para reconhecer e negociar significados do segundo idioma. Isso faz com que melhore a capacidade de associação e habilidades de solucionar problemas e improvisar a gestão de recursos. 

Além disso, conversar e se comunicar utilizando um vocabulário reduzido (quando você ainda não é fluente) também exercita a criatividade para conseguir criar mensagens só com as palavras que você conhece. 

2) Mais chances de envelhecer com saúde 

Nos últimos anos, a psicolinguista Ellen Bialystok da Universidade de York, no Canadá, conduziu estudos onde pessoas bilíngues com tendência a desenvolver o mal de Alzheimer demoraram entre 4 e 5 anos para apresentar os sintomas da doença quando comparados às pessoas que falavam apenas um idioma. 
Os estudos indicam que adultos que só falam uma língua começam a manifestar os primeiros sinais de demência com 71,4 anos. Já os adultos que falam duas ou mais línguas, os sintomas só começam aos 75,5. 

Isso não significa que ser bilíngue não só previne sintomas, mas ajuda a retardar os efeitos. Isso porque a demência, por exemplo, afeta certas partes do cérebro e pessoas bilíngues acabam compensando os danos porque tem uma massa cinzenta extra. 


3) Memória fortalecida 


Em 2011, a Academia Americana de Neurologia divulgou que aprender novos idiomas ajuda a proteger nossa memória. E isso acontece mesmo depois de adultos. Com um estudo feito com voluntários, os pesquisadores descobriram que pessoas que falam quatro ou mais línguas têm cinco vezes menos chances de desenvolver problemas cognitivos, quando comparados com pessoas que falam dois idiomas.
Já para pessoas que falam três línguas, a chance era três vezes menor. Isso porque o exercício constante de aprender e praticar novas palavras no dia a dia faz com que o bilíngue tenha uma memória mais aguçada que as demais pessoas.


4) Facilita a tomada de decisões e a habilidade de executar várias funções ao mesmo tempo

Segundo um estudo da Universidade de Chicago intitulado ‘Psychological Science’, o processo de raciocinar em outro idioma ajuda a diminuir e eliminar inconsistências cognitivas, além de melhorar o processo de tomada de decisão. 

Isso porque, ao usar um idioma estrangeiro, como o inglês por exemplo, as decisões passam a ser mais sistemáticas e menos baseadas em fatores negativos, processo mental que não é comum quando usamos a língua nativa. 

Ser bilíngue também aumenta a agilidade mental. A mudança constante entre dois (ou mais) idiomas desenvolve partes do cérebro responsáveis por controlar a mudança entre diferentes ‘correntes’ de pensamento. Isso faz com que sejamos mais flexíveis e tenhamos mais poder para executar várias funções ao mesmo tempo. 

Além desses benefícios, ser bilíngue também aperfeiçoa aspectos cognitivos do cérebro, como funções executivas relacionadas a processos que controlam a conduta e atividade emocional. O que ajuda a estabelecer objetivos, planejar estratégias, organizar e gerenciar tarefas. 

Em 2001, um pesquisador da Universidade Pompeu de Fabra,  em Barcelona, na Espanha, reforçou essa ideia. Seus estudos demonstraram que o fortalecimento de algumas funções executivas do cérebro se deve a uma diferença entre pessoas bilíngues e não-bilíngues. As primeiras possuem uma maior habilidade para monitorar o ambiente.

Com essas informações, conseguimos entender que a necessidade e a importância de adquirir conhecimento em outro idioma vai muito além de um vocabulário novo e regras gramaticais. Isso influencia no exercício de nossos cérebros, fortalecendo a memória e os aspectos cognitivos. 

E aí, o que achou desses benefícios? Pronto para começar a estudar inglês? Sim? Então acompanhe nossos conteúdos por aqui para facilitar cada vez mais seu processo de aprendizagem. 
 

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias similares para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com o uso dessa tecnologia. Para saber mais acesse aqui